Depois de recusar oficialmente, na segunda-feira (29/06), a proposta de fusão da Volkswagen, a Porsche relatou que desenvolve negociações com o Qatar. Há possibilidades do Qatar investir numa participação acionária na Porsche e, simultaneamente, adquirir as ações da Volkswagen pertencentes à montadora de carros esportivos, conforme noticiário desta terça-feira (30/06) das agências internacionais.


O maior problema da Porsche é uma dívida de 9 bilhões de euros (algo como R$ 25 bilhões), decorrente – em grande parte – de sua iniciativa de adquirir 51% do controle acionário da Volkswagen.

Caso a fusão com a Volkswagen desse certo, a Porsche cederia 49,9% de seu próprio controle acionário para a sua atual controlada. Ou seja, ocorreria um cruzamento de participações acionárias. A Porsche declarou, no entanto, que para ela isso não interessa.